Sobre as críticas ao meu texto do Estado de Bem-Estar social como condomínio de luxo

Há mais de um ano e meio (24/01/2014), escrevi o texto “O Estado de Bem-Estar Social deixa miseráveis ainda mais pobres, famintos e desesperados” no Mercado Popular. Sua tese central foi a de que o Estado de Bem-Estar Social mais generoso de alguns países desenvolvidos (em especial os escandinavos: Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia) é comparável a um condomínio de luxo, de modo que, ao vetar a imigração por trabalhadores desqualificados, apenas está deixando pessoas pobres de fora. Meu objetivo era desmistificar o quão realmente esses países, por mais invejáveis que sejam os resultados que eles alcançaram para a população que neles nasceu (e aqueles que eventualmente puderam migrar legalmente para lá), realmente podem ser ditos como campeões da justiça social em escala global.

Como todo texto que suscita um tema polêmico, ele recebeu muitas críticas, muitas delas podem ser acompanhadas nos comentários naquele site. São essas críticas justificáveis? Resolvi após esse um ano e meio reler esse meu texto, e considero que seu argumento geral é persuasivo sim. O que eu mudaria apenas seriam o tom em um ou outro parágrafo, que poderia dar a entender que eu estaria tentando demonizar os países escandinavos (alguém nos comentários criticou meu uso da expressão “pecado”), o que não era o objetivo, pois eu também poderia mencionar os pontos que considero bastante positivos neles (e de fato mencionei-os duas vezes ao longo do texto, com foco na Dinamarca, mas poderia mencionar mais).

Então vou responder às principais críticas levantadas e mostrar suas falhas.

Crítica 1: O texto assume que toda riqueza e bem-estar social dos países nórdicos (ou de outros Estados de Bem-Estar Social mais ou menos próximos) é derivada de uma política imigratória restritiva

Resposta:

O texto não afirma isso em nenhum momento, e o modo como a renda per capita elevada desses países (o que os tornam países desenvolvidos) foi obtida é irrelevante para o argumento esposado aqui. O argumento apenas presume que esses países têm maiores oportunidades de renda e emprego, por terem maior renda per capita que a maioria dos países do mundo, e que essas oportunidades são tornadas inacessíveis pela política imigratória para muitos dos trabalhadores desqualificados mais pobres do mundo, pois estes não podem mover-se para lá e tentar obter essas oportunidades, ao contrário, sendo mantidos em países onde as oportunidades são muito menores. Onde esse argumento pressupõe alguma tese sobre a causação dessa maior renda/riqueza?

Mas o crítico poderia ter lido mais atentamente o texto e notado que, apesar de não necessário para o argumento, eu fiz um comentário sobre como isso foi causado que justamente mostra como a crítica advém de uma leitura apressada. Cito do texto: “a Dinamarca por exemplo é uma economia de mercado vibrante e bastante liberal, inclusive quanto ao mercado de trabalho, e isso é que gerou a enorme renda per capita que serve para redistribuição”.

O argumento do crítico poderia ter sido melhor se ele tivesse dito que minha tese era que os indicadores sociais dos países desenvolvidos são melhores do que deveriam ser, porque eles impedem as pessoas de migrar para lá. Eu estou comprometido com essa tese de fato. Se você deixa pessoas mais pobres e desqualificadas entrarem em seu país, é claro que os indicadores sociais devam sofrer alguma piora em algum nível, seja porque essas pessoas residiriam em moradias não tão boas quanto o do resto da população já mais rica, seja porque elas teriam um nível educacional menor, etc.

É uma questão trivial que advém de como os indicadores sociais são mensurados. Você apenas pode assumir que os indicadores sociais estarem melhorando significa necessariamente que todos estão melhorando de vida se levar em conta uma população que permanece a mesma ao longo do tempo em dado território. Mas, se é permitido influxo de fora, é possível que os indicadores sociais piorem mesmo que do ponto de vista dos migrantes sua situação de vida tenha melhorado em relação à situação em que estavam em uma população anterior. Logo: se você impedir pessoas mais pobres que a média da população (ou mesmo que a média dos 5% mais pobres daquela população mais rica) de entrarem, você as estará prejudicando em melhorar de vida, ao mesmo tempo que poderá manter os indicadores sociais estáveis ou melhorando.

Essa forma de medir sem levar em conta a imigração é absolutamente questionável de um ponto de vista imparcial em relação ao bem-estar de todas as pessoas da humanidade, ao presumir que devemos dar preferência aos nacionais sobre os estrangeiros mesmo que os estrangeiros sejam mais empobrecidos e os nacionais mais abastados, mas comentaremos mais sobre isso mais abaixo.

Crítica 2: O texto ignora que países sem um Estado de Bem-Estar Social forte, como os Estados Unidos, têm também barreiras à imigração, logo, não se pode jogar a culpa das restrições à imigração sobre os de Estado de Bem-Estar Social forte como os escandinavos

Resposta:

O mais curioso desse argumento é que no segundo parágrafo do texto eu menciono que os EUA tem uma política imigratória restritiva: “Elysium já existe. Talvez você tenha imaginado os EUA (pela semelhança com a imigração ilegal mexicana)”. Como o foco do texto não era analisar esse tipo de situação que era mais intuitivamente associado à analogia com o filme Elysium, e sim fazer o enfoque mais contraintuitivo de associá-lo aos países de Estado de Bem-Estar Social mais generoso, apenas mencionei isso tangencialmente.

O crítico sugere que estou comprometido com a tese de que apenas Estados de Bem-Estar Social forte têm política imigratória restritiva. Se existe um país como os Estados Unidos onde o Estado de Bem-Estar Social não é forte (não tão generoso quanto os escandinavos), segue-se que aquela tese é falsa.

Mas eu não estou comprometido com aquela tese, e pensar isso advém de uma leitura apressada do texto. A tese com a qual estou comprometido é a de que, tudo o mais igual, ter um Estado de Bem-Estar Social mais forte torna mais difícil a abertura de fronteiras para imigrantes desqualificados. Ou seja, possuir um Estado de Bem-Estar Social dessa natureza é uma variável a mais que dificulta a aceitação da livre imigração, mas isso não significa que seja a única variável relevante.

Como os países em geral não são tudo o mais igual apenas variando em níveis de Estado de Bem-Estar Social implementado, isso significa que, em dado momento do tempo ou por certas circunstâncias constantes historicamente, um país com um Estado de Bem-Estar Social mais fraco pode ter uma política imigratória mais restritiva do que um país com um Estado de Bem-Estar Social mais forte.

É por isso que você não encontrará em nenhum momento do texto eu argumentando que os países escandinavos têm as políticas de imigração mais restritivas entre os países desenvolvidos. Esse argumento não era e nunca foi necessário. Meu argumento ali constante foi de que eles efetivamente restringem, que isso tem uma relação causal com a existência de um Estado de Bem-Estar Social forte que é incompatível com uma maior imigração livre de trabalhadores desqualificados, e que isso torna questionável moralmente aceitar um modelo que privilegia nacionais relativamente mais abastados (consideravelmente mais abastados em média, inclusive na média dos 5% mais pobres entre os nacionais) em detrimento de estrangeiros relativamente mais empobrecidos.

Mas podemos fazer um comentário aqui sobre os Estados Unidos em comparação aos escandinavos, uma vez que o crítico suscitou a questão. Um dos motivos dos Estados Unidos terem adotado medidas mais draconianas em tempos recentes em relação à imigração ilegal principalmente via fronteira com o México é o fato de que é mais fácil entrar especificamente nesse país desenvolvido em comparação com outros. Os Estados Unidos são um país enorme, fazem fronteira com um país subdesenvolvido (México), já têm muitos imigrantes legais e ilegais estabelecidos neles. Isso significa que nesse caso uma política imigratória mais draconiana pode significar não que eles estejam recebendo poucos imigrantes, mas sim que eles estejam recebendo muitos imigrantes e por isso eles estão tentando impedir a entrada de mais. Ou seja, a análise prima facie da legislação deles nesse sentido ser mais draconiana que a escandinava pode ser enganadora se a levarmos em seu valor de face (isto é, literalmente), pois ela pode ser a consequência de ser um país que historicamente recebeu mais imigrantes e que pela localização geográfica e dimensões geográficas (entre outros fatores) é um destino para um contingente populacional grande de migrantes.

Suponha que um país seja rico, mas é distante geograficamente, seu clima é austero em relação à temperatura, sua língua é universalmente desconhecida, suas populações são pequenas o que implica que a população de imigrantes já existentes também é proporcionalmente pequena (o que pode afetar quais comunidades linguísticas estão representadas entre os imigrantes por exemplo), etc. Esses são obstáculos fáticos à imigração, principalmente a de trabalhadores desqualificados. E eles se enquadram bem em como os países escandinavos são comparados a outros desenvolvidos, como Estados Unidos e França, que historicamente (ao longo de décadas) já haviam recebido muita imigração. Se um país com tais obstáculos fáticos à imigração adota uma política mais liberal em relação à imigração pode ser uma consequência dele ser faticamente menos receptivo à imigração (não necessariamente por responsabilidade do governo, mas por fatores linguísticos, geográficos, etc. como mencionados) e, logo, dele ter recebido menos imigração historicamente.

Crítica 3: O texto ignora que a Suécia seja ou tenha sido um dos países mais abertos em termos de política de imigração

Resposta:

Essa é uma variante da crítica 2, mas dessa vez o crítico sugere que estou comprometido com a tese mais fraca de que Estados de Bem-Estar Social forte têm política imigratória restritiva em qualquer momento dado do tempo. (Note: a tese que o crítico erroneamente me imputou na crítica 2 era a de que apenas Estados de Bem-Estar Social fortes têm políticas imigratórias restritivas) Se existe um país como a Suécia onde a política imigratória foi relativamente mais aberta em determinado período mesmo sendo um Estado de Bem-Estar Social forte (e que inclusive em consequência deste acolhe os imigrantes no welfare), segue-se que aquela tese é falsa.

Mas novamente: não estou comprometido com essa tese, que advém de mais uma leitura apressada do texto, relacionada com a leitura apressada que levou à crítica 2.

Vou reafirmar: A tese com a qual estou comprometido é a de que, tudo o mais igual, ter um Estado de Bem-Estar Social mais forte torna mais difícil a abertura de fronteiras para imigrantes desqualificados. Ou seja, possuir um Estado de Bem-Estar Social dessa natureza é uma variável a mais que dificulta a aceitação da livre imigração, mas isso não significa que seja a única variável relevante. Como os países em geral não são tudo o mais igual apenas variando em níveis de Estado de Bem-Estar Social implementado, isso significa que, em dado momento do tempo ou por certas circunstâncias constantes historicamente, um país com um Estado de Bem-Estar Social mais fraco pode ter uma política imigratória mais restritiva do que um país com um Estado de Bem-Estar Social mais forte.

E: Suponha que um país seja rico, mas é distante geograficamente, seu clima é austero em relação à temperatura, sua língua é universalmente desconhecida, suas populações são pequenas o que implica que a população de imigrantes já existentes também é proporcionalmente pequena (o que pode afetar quais comunidades linguísticas estão representadas entre os imigrantes por exemplo), etc. Esses são obstáculos fáticos à imigração, principalmente a de trabalhadores desqualificados. E eles se enquadram bem em como os países escandinavos (incluindo a Suécia) são comparados a outros desenvolvidos, como Estados Unidos e França, que historicamente (ao longo de décadas) já haviam recebido muita imigração. Se um país com tais obstáculos fáticos à imigração adota uma política mais liberal em relação à imigração pode ser uma consequência dele ser faticamente menos receptivo à imigração (não necessariamente por responsabilidade do governo, mas por fatores linguísticos, geográficos, etc. como mencionados) e, logo, dele ter recebido menos imigração historicamente.

Uma questão em relação à real política de imigração da Suécia que deve ser suscitada também é que ela já foi (e ainda é em grande parte) bastante generosa principalmente com uma classe de pessoas muito empobrecidas, aquelas que também são refugiados. Isso certamente é bastante louvável. Também é bastante aberta aos trabalhadores qualificados (como outros países europeus também são). Mas seria um equívoco considerá-la como uma política de real fronteiras abertas em relação a qualquer tipo de trabalhador desqualificado sem o status especial de refugiado sob a lei internacional. Sobre a relação entre a política imigratória e os refugiados, leia aqui.

Ou seja, o crítico nos afirma que a imigração já foi mais aberta (ou ainda é mais aberta relativamente em certos aspectos) e que uma parcela considerável (14% aproximadamente) de sua população é nascida no estrangeiro, mas ele esquece que nosso argumento foca em trabalhadores desqualificados, de modo que dizer meramente isso nada nos diz sobre: 1) para quem a imigração era aberta? 2) quanto da população nascida no estrangeiro é composta por trabalhadores desqualificados e de países do terceiro mundo muito pobres?

O que fez a Suécia ser elogiada, com razão, era sua receptividade aos refugiados, mas isso não pode ser confundido com aceitar qualquer trabalhador desqualificado indiscriminadamente que para lá quisesse imigrar. E sua receptividade maior tem relação não só com orientações políticas internas, como também pelo fato de que historicamente foi um país que recebeu menores contingentes de migrantes em comparação a outros desenvolvidos, como já explicado acima.

Crítica 4: O texto exige que as pessoas dividam suas riquezas com as de outros países, ou que sacrifiquem suas conquistas sociais, e essa é uma exigência errada porque esses países não prejudicam ninguém pelo fato de serem mais ricos e com maior bem-estar social

Resposta:

Um aspecto interessante que surgiu das críticas é como, em certos momentos, argumentos mais conservadores e argumentos mais esquerdistas convergiram para essa crítica 4. A ideia subjacente é a de que esses países de Estado de Bem-Estar Social forte fizeram o “dever de casa” e melhoraram as vidas de suas populações, sem impor nenhum ônus a ninguém de nenhum outro país (ou talvez tenham compensado esses ônus, e assim por diante; no caso dos escandinavos, estes nunca foram países colonialistas e/ou suas empreitadas colonialistas foram limitadas). Segue-se, para o argumento conservador, que o meu texto era vitimista e quer injustificadamente que as pessoas dos países desenvolvidos dividam suas riquezas com as dos subdesenvolvidos, e, para o argumento esquerdista, que o meu texto exige injustificadamente que as pessoas dos países desenvolvidos sacrifiquem suas conquistas sociais.

Ambos os argumentos são comprometidos com uma premissa elitista subjacente. Aqui usarei um exemplo oferecido pelo filósofo Derek Parfit em um de seus interessantíssimos trabalhos em ética da população (o denominado Paradoxo da Mera Adição), para demonstrar isso.

Observe a figura abaixo:

imigrantes

(PARFIT, Derek. Overpopulation and the Quality of Life. 2004, p. 11)

Suponha que cada retângulo desses corresponda a uma população. O comprimento corresponde ao número de pessoas da população envolvida, a altura corresponde à felicidade de cada pessoa da população, e a área (multiplicando comprimento e altura) corresponde à felicidade total (a soma das felicidades de todos os indivíduos). Como no exemplo toda pessoa tem igual felicidade a todas as outras na mesma população, isso significa que, quanto maior a altura do retângulo, maior a felicidade média (felicidade total/número de pessoas).

Compare A e B. O retângulo A claramente tem maior felicidade média que B (cada pessoa em A é mais feliz que cada pessoa em B), mas tem uma população menor (há menos pessoas felizes em A do que em B). Muitas pessoas observam isso, e apontam que o retângulo A representa uma situação melhor que a representada por B, pois é o resultado que maximiza a felicidade de cada pessoa, mesmo que seja uma população menor de pessoas envolvidas. Mas será que isso não conflita com outras intuições morais?

Analise agora a situação retratada por A+. Ali temos o mesmo retângulo A, com idêntica felicidade média elevada, mas temos também presente um retângulo menor, com a mesma quantidade de população, mas com felicidade média consideravelmente menor. Ou seja, em A+, cada pessoa na população representada pelo retângulo da esquerda é (um pouco mais de duas vezes) mais feliz que cada pessoa representada pelo retângulo da direita, sendo que há igual número de pessoas em ambas as populações.

Suponha ainda que a desigualdade em A+ é natural, não o resultado de qualquer injustiça social. Talvez essa população cujos habitantes sejam menos felizes tenha sido recentemente descoberta do outro lado do Atlântico ou do Pacífico. Enquanto A+ é a situação onde esse continente recém-descoberto era habitado, o que leva à existência ao mesmo tempo dessas duas populações, A representaria a situação onde esse continente recém-descoberto era desabitado e por isso só havia uma população, digamos.

Pergunta: o cenário de A+ é pior que o de A? Note que a pergunta não é se é melhor, mas se é pior. Ou para colocar de outra forma: seria melhor que a população extra em A+ nunca tivesse existido? Talvez você ache ruim que exista essa desigualdade em A+, mas achar ruim essa desigualdade justificaria que essa população extra nunca tivesse existido? Acredito que o leitor certamente responderá que a simples desigualdade de A+ não nos deveria levar a concluir que A+ é pior que A. Lembre que a população extra de A+ não é composta por pessoas infelizes cujas vidas fossem piores que sequer existir, pois nosso argumento presume que são pessoas felizes, cujas vidas valem a pena viver, mas com menor felicidade que a outra população.

Agora compare A+ com o cenário dividido em B+. Em B+, ambas as populações têm o mesmo número de pessoas e têm a mesma felicidade média, que é maior que a felicidade média na população do retângulo à direita em A+ mas menor que a felicidade média na população do retângulo à esquerda em A+. Ou seja, cada pessoa em B+ tem mais felicidade que cada pessoa no retângulo à direita em A+, e cada pessoa em B+ tem menos felicidade que cada pessoa no retângulo à esquerda em A+. (Note que somando as duas populações em B+ temos a população retratada em B, com maior felicidade total que a de A, mas menor felicidade média que a de A, portanto)

Sob os princípios morais que muitos de nós aceitamos, B+ é melhor que A+.

Sob o princípio da maximização da utilidade, é melhor que haja a maior soma de benefícios menos perdas. Logo, B+ é melhor que A+ porque os benefícios das pessoas que ganham são maiores que as perdas das pessoas que perdem.

Sob o princípio da igualdade, é melhor se houver menos desigualdade entre diferentes pessoas. Logo, B+ é melhor que A+ porque os benefícios foram redistribuídos de quem já tinha muita felicidade para quem tinha menos, ou seja, daqueles em melhor condição para aqueles na pior condição.

Aqui Derek Parfit é bem incisivo:

“Como podemos nós negar que uma mudança de A+ para o B dividido [B+] pode ser uma mudança para melhor? Nós teríamos de defender que a perda das pessoas em melhores condições em A+ importa mais que o maior ganho para as igualmente numerosas pessoas em piores condições. Isso parece-nos comprometer para uma Visão Elitista segundo a qual o que importa mais é a condição das pessoas em melhores condições. Isso é o oposto da famosa visão de Rawls de que o que importa mais é a condição das pessoas em piores condições. Muitos de nós rejeitaríamos a Visão Elitista. Muitos de nós, portanto, concordaríamos que B dividido [B+] seria melhor que A+.” (PARFIT, Derek, 2004, p. 12)

Disso se sucede trivialmente que, se B+ é melhor que A+, e A+ é tão bom quanto A, que B+ é melhor que A. Como B+ é equivalente a B em todos os aspectos, B é melhor que A, ao contrário da intuição original onde A seria melhor que B. (De modo que se chega no paradoxo da mera adição mencionado)

Já deve ter ficado claro onde pretendo chegar com esse exemplo. Apenas uma visão elitista, onde o que importa é a condição de quem já está em melhores condições, poderia justificar que A+ fosse melhor que B+. Só que A+ é um exemplo hipotético cuja aproximação maior ao mundo real seria o atual cenário de fronteiras fechadas e B+ é um exemplo hipotético cuja aproximação maior ao mundo real seria um cenário de fronteiras abertas.

Se a livre imigração fosse adotada no mundo, no curto prazo, indicadores sociais nos países desenvolvidos piorariam (inclusive indicadores de pobreza absoluta e relativa), o que é comparável à diminuição da felicidade média ao passar de B+ para A+, mas as pessoas que mais ganhariam com esse processo seriam os novos habitantes desses países advindos de países do 3º mundo e que são trabalhadores desqualificados, pois teriam acesso a mais oportunidades, renda e benefícios sociais, o que é comparável ao modo como os habitantes da população extra ganham felicidade ao passarem de A+ para B+. A renda total aumentaria, pois como mostrado em meu artigo original o PIB mundial dobraria nesse cenário, o que é comparável ao aumento da felicidade total ao passar de A+ para B+.

E quanto à diminuição da felicidade da população do retângulo à esquerda em A+ ao passar de A+ para B+, como ela se compararia nesse nosso cenário aplicado ao mundo real de abertura de fronteiras?

Não precisamos presumir que a renda dos habitantes dos países desenvolvidos vá necessariamente diminuir, enquanto isso possa ocorrer por maior competição no mercado de trabalho, mas, dado sua condição já em melhor condição, possíveis perdas em renda aqui seriam pequenas em comparação aos ganhos de renda auferidos pelas pessoas mais pobres do mundo.

Na verdade, boa parte do que é comparável a essa diminuição da felicidade no exemplo hipotético estaria mais vinculada no mundo real a questões como maiores congestionamentos, uma menor estrutura de bem-estar social governamental, maior visibilidade da pobreza como algo mais próximo de pessoas não acostumadas a ver pessoas tão mais pobres que elas, entre outras perdas que, novamente, são bem menores em relação aos ganhos de renda e acesso a uma série de benefícios auferidos pelas pessoas mais pobres do mundo. (Lembre que estas ganham não só considerando os migrantes, mas também considerando as famílias dos migrantes e as economias dos países subdesenvolvidos que se beneficiam tanto de maiores remessas para as famílias de migrantes como de um PIB mundial dobrado que significa maior volume de transações gerando emprego e renda)

Curiosamente, um filósofo sueco denominado Torbjörn Tännsjö, afiliado a um partido de esquerda de seu país (conhecido por ser um partido de viés socialista) e que trabalha questões de ética da população em seu trabalho acadêmico, recentemente apresentou posição favorável a que estou apresentando aqui, sob bases similares, em um debate filosófico: talvez os suecos devessem abrir suas fronteiras simplesmente, deixando quem quiser vir, mesmo que isso inviabilize manter o Estado de Bem-Estar Social tal como existe no país hoje, porque, mesmo isso diminuindo condições sociais, maximizaria o bem-estar do mundo, e era o que ele estava inclinado a acreditar que é o que deveria ser feito. (Veja transcrição em sueco sobre a fala dele aqui, sendo que aí você também encontrará o vídeo em que ele fala isso, e a transcrição em inglês aqui)

A questão é até mais fundamental que a sobre desigualdade, e eu a colocaria em termos de uma visão prioritarista: a quem devemos dar prioridade em relação à maximização do seu bem-estar, aos menos favorecidos ou os mais favorecidos?

Se as pessoas mais pobres do mundo poderiam melhorar de vida sob um cenário de fronteiras abertas, teriam os escandinavos, comparativamente muito mais abastados (incluindo os 5% mais pobres de lá) em relação ao resto do mundo, uma real objeção moral a isso?

É possível que o crítico queira afirmar que essas pequenas perdas das pessoas em melhor condição no curto prazo importem mais que os grandes ganhos das pessoas em pior condição em escala global, mas aí ele já endossou a Visão Elitista e rejeitou John Rawls.

***

Por fim, gostaria de deixar para o leitor a reflexão trazida nesse texto escrito pelo Martin Andersson, sueco radicado no Brasil, o qual transcrevo aqui:

“A maioria dos europeus se aterroriza ao pensar em ter pobreza na sua própria vizinhança. Como um exemplo disso, o recente aumento de pedintes romenos na Europa Ocidental é visto como falha da sociedade, ao invés de um sinal de que esta tem solidariedade o suficiente para atrair pedintes, e que, portanto, deveria ser uma fonte de orgulho.

A consequência dessa recusa de se ver rodeado de pobreza e pessoas desesperadas é que o Estado de Bem-Estar Social (welfare state), junto com a legislação trabalhista, impõe um teto ao número de imigrantes que um país pode receber. A maioria dos debates políticos se centram na questão de se esse teto foi alcançado ou não, mas enquanto existem requisitos mínimos para algo ser considerado “condições decentes” de viver/trabalhar, esses limites de fato existem.

Mesmo que a insistência em um certo padrão de vida dentro de um território dado de fato melhore as condições de vida para muitas pessoas, sua consequência natural é que ele impede que um número ainda maior de pessoas se salvem de perseguição, miséria, violência estatal e outras atrocidades, todas muito piores do que viver com toda a família em um flat com só um quarto, comer macarrão instantâneo todos os dias, trabalhar turnos de 12 horas ou não conseguir pagar cuidados odontológicos.

Recusar ajuda a alguém em necessidade pode ser uma coisa ruim. Mas é algo que fazemos todos os dias. Todo sorvete que compramos é uma despesa que poderia ser usada para alimentar crianças pobres no Terceiro Mundo. Toda tarde que se usa pra ler um livro ou comentar no Facebook poderia ter sido usada para cozinhar sopa para os sem-teto ou trabalhar extra para dar dinheiro à caridade. Talvez teríamos que nos perdoar nossa falta de humanidade ao dar um passeio no parque enquanto pessoas morrem

Mas impedir que alguém pacificamente cruze uma fronteira ou restringir o que é um emprego decente (e portanto reduzindo a quantidade de emprego disponível) não é recusar ajuda aos necessitados. É ativamente dificultar que pessoas se salvem de perseguição ou pobreza. É um crime contra a humanidade. Às vezes é até assassinato.”

 

2 respostas em “Sobre as críticas ao meu texto do Estado de Bem-Estar social como condomínio de luxo

  1. O argumento do Martin não se sustenta. É preciso ver que a riqueza da qual pretende usufruir o imigrante em potencial não foi construída por ele ou por qualquer um de seus antepassados mais diretos (estou falando em tese, claro). Além disso, de um ponto de vista estritamente econômico, a imigração desenfreada levaria pobreza ao país receptor, sem resolver a pobreza do país de origem do imigrante. (Estou sugerindo também que cada país, de maneira soberana, saiba que volume de imigração seria bom para si mesmo.) A comunidade internacional, as organizações supranacionais (ONU à frente) têm que dar apoio político (legitimidade) a intervenções militares cirúrgicas em certos países conflagrados. Ou nunca será possível desenvolvimento sócio-econômico em tais regiões.

  2. Um Estado do Bem-Estar Social é um conjunto de políticas públicas que podem variar de época para época. A própria Suécia fez uma extensa reforma de seu modelo no começo da década de 90. Para além do nível geral de generosidade dessas políticas, é necessário ponderar quais são os artifícios escolhidos para promover a distribuição de renda e o bem-estar geral.

    Por exemplo, política salarial. O salário mínimo não tem como não ser excludente. Ou você torna a política inócua negligenciando a obrigação ao pagamento do mínimo – o que vai deixar a população local irada devido ao dumping salarial – ou você exclui esses migrantes do mercado de trabalho.

    Já a instituição de uma renda mínima, por exemplo, seria de mais fácil harmonização: bastaria estabelecer que imigrantes não possuem, ao menos no começo, acesso ao benefício. Viriam, assim como nos países liberais, aqueles que achassem que poderiam melhorar de vida. Melhor ainda: imigrantes poderiam passar a receber frações cada vez maiores da renda mínima à medida que demonstrassem se integrar às normas sociais da nação anfitriã. Tempo de estadia, domínio do idioma local, avaliações objetivas, ficha criminal limpa, facilidade em conquistar emprego, harmonização da renda com a média local, etc. Isso forneceria um forte incentivo contra a formação de guetos fechados e sociedades paralelas, que é um problema em vários países europeus hoje.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s