Mercado Popular

 

Aqui colocarei os textos (os originais) que publiquei no blog “Mercado Popular”, que veio somar ao meu próprio blog no sentido da compatibilidade entre livre mercado e justiça social. Você também pode acessar todos os textos diretamente aqui. Boa leitura!

Pelo fim da revista vexatória, em 07/11/2014

Mostro que a luta pelo fim da revista vexatória insere-se em um histórico de lutas dentro da tradição liberal e iluminista contra punições e procedimentos criminais desarrazoados ou irracionais.

Link: http://mercadopopular.org/2014/11/pelo-fim-da-revista-vexatoria/

A nova política de Marina, o Partido NOVO e a opção esquerda/direita do liberalismo, em 30/10/2014

O partido NOVO pretende representar um liberalismo moderado, pautado na eficiência dos serviços públicos e em reformas pró-liberdade econômica. Mas com quem ele se alinhará em 2018 para presidente entre os candidatos de oposição com potencial para vencer? Faço a sugestão de que apoiem Marina, porque, ao contrário do PSDB, o programa de Marina nestas eleições de 2014 abarcou um desafio real à estrutura vigente de capitalismo de compadrio e uma ênfase progressista em direitos civis.

Link: http://mercadopopular.org/2014/10/nova-politica-de-marina-o-partido-novo-e-opcao-esquerdadireita-liberalismo/

É inédito que o Brasil tenha reduzido a extrema pobreza? Não, nem aqui nem no exterior, em 24/10/2014

Mostro que a redução da extrema pobreza ao longo dos últimos 12 (e 20) anos não é inédita, seja na história do Brasil, seja no cenário internacional do mesmo período.

Link: http://mercadopopular.org/2014/10/e-inedito-que-o-brasil-tenha-reduzido-extrema-pobreza-nao-nem-aqui-nem-exterior/

Explicando a redução da miséria e aumento da renda dos mais pobres sob o lulismo, em 23/10/2014

Escrito em co-autoria com Arthur Niculitcheff, mostramos o porquê da extrema pobreza ter sido reduzida e da renda dos mais pobres ter aumentado durante os mandatos do governo do PT. A razão foram reformas pró-mercado na política econômica e social, algumas das quais iniciadas por FHC, outras desenvolvidas por Lula.

Link: http://mercadopopular.org/2014/10/explicando-reducao-da-miseria-e-aumento-da-renda-dos-mais-pobres-sob-o-lulismo/

A proposta de redução da maioridade penal de Aécio intensifica a guerra às drogas, em 14/10/2014

Mostro que a proposta de redução da maioridade penal apresentada na campanha eleitoral pelo candidato do PSDB intensificaria a guerra às drogas e não resolveria o problema da criminalidade urbana.

Link: http://mercadopopular.org/2014/10/a-proposta-de-reducao-da-maioridade-penal-de-aecio-intensifica-a-guerra-as-drogas-2/

Por uma defesa da liberdade relevante para desprivilegiados e injustiçados, em 16/09/2014

Defendo uma opção preferencial pelos pobres e pelas minorias, o que significa trazer mais liberdade prioritariamente àqueles que menos podem desfrutar dela atualmente, ou cujos danos sofridos pelo cerceamento da liberdade são maiores.  Apenas assim a defesa da liberdade será relevante para desprivilegiados e injustiçados, e compatível com os postulados da justiça social.

Link: http://mercadopopular.org/2014/09/por-uma-defesa-da-liberdade-relevante-para-desprivilegiados-e-injusticados-2/

Associação propõe suspender voto de quem recebe Bolsa-BNDES, em 12/09/2014

Aqui mostro que suspender o direito de voto de quem recebe bolsa-família significa apenas que estas não poderiam interferir no velho jogo político de captura das rendas públicas que a classe média, os grandes proprietários de terra e as grandes corporações sempre jogaram e sempre exploraram muito bem em seu próprio favor, às expensas dos mais pobres.

 

Link: http://mercadopopular.org/2014/09/associacao-propoe-suspender-voto-de-quem-recebe-bolsa-bndes/

A redução compulsória da jornada de trabalho beneficia o trabalhador? em 30/08/2014

Aqui comento e transcrevo trecho do livro do economista George Borjas, “Economia do Trabalho”, onde explica-se o porquê da redução compulsória da jornada de trabalho não beneficiar ao trabalhador.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/a-reducao-compulsoria-da-jornada-de-trabalho-beneficia-o-trabalhador/

Libertários deveriam aceitar mais repressão às drogas em troca de menos impostos e privatizações? em 29/08/2014

Aqui questiono a ideia de que poderíamos aceitar uma política de drogas mais repressiva em troca de menos impostos e de privatizações. Ao contrário, uma política de drogas menos repressiva deve ser prioridade.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/libertarios-deveriam-aceitar-mais-repressao-as-drogas-em-troca-de-privatizacoes-e-menos-impostos/

Contra o mito de que liberais moderados são conservadores e vice-versa, em 23/08/2014

Aqui mostro que liberais moderados não tendem ao conservadorismo, mas sim ao liberalismo social.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/contra-o-mito-de-que-liberais-moderados-sao-conservadores-e-vice-versa/

Contra o conservadorismo travestido de liberalismo nas eleições e na mídia, em 22/08/2014

Aqui faço um alerta sobre a utilização de ideias conservadoras sob um verniz liberal ou apresentando-se como liberal.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/contra-o-conservadorismo-travestido-de-liberalismo-nas-eleicoes-e-na-midia/

A grande promessa das cooperativas sociais, em 12/08/2014

Aqui comento o texto homônimo, traduzido por Pedro Galvão, que mostra como as cooperativas sociais são um avanço promissor pós-Welfare State.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/a-grande-promessa-das-cooperativas-sociais/

Amartya Sen está errado: aumentar a renda dos pobres reduz os males sociais que eles enfrentam, em 07/08/2014

Aqui comento texto que saiu na The Economist, traduzido pelo Pedro Galvão, onde mostra-se a correlação entre os índices de pobreza na renda e de pobreza multidimensional.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/amartya-sen-esta-errado-aumentar-a-renda-dos-pobres-reduz-os-males-sociais-que-eles-enfrentam/

Como promover a liberdade individual e a justiça social na política estadual e municipal? em 02/08/2014

Aqui apresento como penso que um político (estadual ou municipal) verdadeiramente progressista, libertário e liberal, deveria pautar sua atuação com propostas concretas na defesa radical da liberdade pessoal, da justiça social e da economia livre, com uma opção preferencial pelos mais pobres e pelas minorias, e focado na redução de danos gerados pelo próprio Estado.

Link: http://mercadopopular.org/2014/08/como-promover-a-liberdade-individual-e-a-justica-social-na-politica-estadual-e-municipal/

O paradoxo da solidariedade nórdica, em 30/06/2014

Defendo aqui a existência de um paradoxo na suposta solidariedade nórdica por trás do Welfare State escandinavo: por que a solidariedade não levou à associações de ajuda mútua bastante generosas nas contribuições dos membros? A resposta está no individualismo estatista.

Link: http://mercadopopular.org/2014/06/o-paradoxo-da-solidariedade-nordica/

Como a Lei de Anistia brasileira afronta o Direito Internacional e o liberalismo, em 09/06/2014

No Instituto Liberal, Rodrizo Mezzomo escreveu texto defendendo que a Lei de Anistia não pode ser revista. Respondo aqui ao artigo dele, defendendo que a Lei de Anistia brasileira afronta o Direito Internacional e o liberalismo.

Link: http://mercadopopular.org/2014/06/como-a-lei-de-anistia-brasileira-afronta-o-direito-internacional-e-o-liberalismo/

Liberdade negativa não é suficiente; liberdade positiva para todos é o triunfo último! em 12/05/2014

Aqui entro no debate sobre se o libertarianismo é ou não restrito à questão do uso da força, defendendo que liberdade negativa não é o suficiente. Liberdade positiva para todos é o objetivo final. Uma sociedade que respeita à liberdade deve ser construída sob o robusto alicerce de possibilitar liberdade para cada vez mais pessoas de forma cada vez mais ampla, inclusive para os mais pobres, os marginalizados, os excluídos, por meio de cooperação social voluntária pautada em autonomia individual e associações livres. Quando este dia chegar, será o triunfo último do libertarianismo.

Link: http://mercadopopular.org/2014/05/liberdade-negativa-nao-e-suficiente-liberdade-positiva-para-todos-e-o-triunfo-ultimo-2/

Violação ao direito de propriedade não é a única forma de prejuízo econômico injusto, em 06/05/2014.

Aqui contesto a ideia de que “a única forma de prejuízo econômico injusto é a violação ao direito de propriedade”, uma vez que entendo que a própria escolha por um regime de direito de propriedade está sujeita ao critério de não causar prejuízo a outrem. Isso significa que a cooperação social voluntária vem antes da propriedade privada, e esta serve àquela. Assim, uma noção contratualista de justiça social se justifica.

Link: http://mercadopopular.org/2014/05/violacao-ao-direito-de-propriedade-nao-e-a-unica-forma-de-prejuizo-economico-injusto/

Henry Maksoud e seu legado como Voz que clamou no deserto, em 18/04/2014

Tendo em vista o falecimento de Henry Maksoud, trago uma reflexão sobre a importância de seu papel e legado na história do libertarianismo brasileiro como uma “Voz que clamou no deserto”.

Link: http://mercadopopular.org/2014/04/henry-maksoud-e-seu-legado-como-voz-que-clamou-no-deserto/

Conheça a oposição liberal contra a ditadura militar brasileira, em 03/04/2014

Aqui falo sobre dois liberais brasileiros que se opuseram ao golpe militar e/ou à ditadura militar: Raul Pilla e Henry Maksoud.

Link: http://mercadopopular.org/2014/04/conheca-a-oposicao-liberal-contra-a-ditadura-militar-brasileira/

A Suécia é um condomínio de luxo excludente, em 28/03/2014

Aqui mostro como a Suécia tem apertado o cerco contra imigrantes, e que isso é uma tendência previsível do Welfare State sueco e da dinâmica político-partidária e eleitoral gerada pelos incentivos desse sistema, o que nos permite concluir que a Suécia é um condomínio de luxo excludente.

Link: http://mercadopopular.org/2014/03/a-suecia-e-um-condominio-de-luxo-excludente/

Libertários bleeding heart e justiça social por meio de fornecedoras privadas do Direito, em 13/03/2014

Aqui apresento de que modo uma concepção de justiça social, realizada por libertários bleeding heart, pode ser realizada por meio da provisão privada do Direito por meio de empresas com fins lucrativos, especialmente por intermédio das “cidades livres” (free cities, start up cities, seasteading).

Link: http://mercadopopular.org/2014/03/libertarios-bleeding-heart-e-justica-social-por-meio-de-fornecedoras-privadas-do-direito/

O segredo do feminismo libertário: liberdade, justiça social, maximização da riqueza, em 07/03/2014

Aqui explico qual é o segredo do feminismo libertário, entre liberdade, justiça social e maximização da riqueza, visando a emancipação da mulher.

Link: http://mercadopopular.org/2014/03/o-segredo-do-feminismo-libertario-liberdade-justica-social-maximizacao-da-riqueza/

Os pecados de Rodrigo Constantino e o mito do casamento tradicional. Ou: Constantino de 2008 contra Constantino de 2014, em 01/03/2014

Neste texto, escrito em co-autoria com Carlos Goés, criticamos um texto de Rodrigo Constantino, denominado “Em defesa da família”, e defendemos a liberdade para compor arranjos familiares conforme os valores de cada qual.

Link: http://mercadopopular.org/2014/03/os-pecados-de-rodrigo-constantino-e-o-mito-do-casamento-tradicional/

Lei do Arizona permite empresas negar serviços a gays – comentário libertário, em 27/02/2014

O que um libertário diria sobre a recente lei do Arizona que permite que empresas recusem serviços a homossexuais? Entenda o porquê do Partido Libertário do Arizona ter se oposto a essa lei que apenas serviu a interesses discriminatórios, e saiba mais sobre os meios libertários para lutar contra o preconceito e por inclusão: livre mercado, mobilização/boicote da sociedade civil e… rebeldia empreendedora!
Link: mercadopopular.org/2014/02/lei-do-arizona-permite-empresas-negar-servicos-a-gays-comentario-libertario/

Como xingar certo no twitter que os 85 mais ricos têm tanto quanto metade da população mundial? em 20/02/2014

Apresento como a desigualdade, apontada em relatórios como a da Oxfam, é apenas o subproduto de algumas tendências – algumas boas, outras ruins. O que altera drasticamente o modo como você poderia indignar-se contra ela.

Link: http://mercadopopular.org/2014/02/como-xingar-certt-no-twitter-que-os-85-mais-ricos-tem-tanto-quanto-metade-da-populacao-mundial/

Milton Friedman, desestatização à cubana e privatizações tucanas, em 17/02/2014

Mostro aqui qual era o modo de privatização favorecido por Milton Friedman: entregar as estatais para o povo, por meio da distribuição de ações/quotas alienáveis. O mercado daria conta de fornecer a configuração mais eficiente ao setor recém-privatizado.

Link: http://mercadopopular.org/2014/02/milton-friedman-desestatizacao-a-cubana-e-privatizacoes-tucanas/

A insanidade hedionda da guerra às drogas nos Estados Unidos: prisão perpétua por posse de drogas, em 13/02/2014

Mostro como a guerra às drogas foi longe demais nos Estados Unidos ao ponto de ferir mesmo o mais básico senso de justiça e decência: existem pessoas hoje em dia condenadas a passar o resto de suas vidas atrás das grades por crimes não violentos relacionados com posse de drogas. Apresento como isso foi possível e o que se deve fazer diante disso.

Link: http://mercadopopular.org/2014/02/a-insanidade-hedionda-da-guerra-as-drogas-nos-estados-unidos-morrer-na-prisao-por-posse-de-drogas/

Todo ser humano tem direito de amar a quem quiser… e de viajar sem passaporte? Entre médicos cubanos e Raul Seixas, em 12/02/2014

Critico uma matéria de um famoso veículo virtual da esquerda brasileira, sobre o caso da médica cubana que desistiu do Mais Médicos, que tenta subestimar o suposto motivo oculto que a teria levado à desistência: um namorado cubano em Miami. Para tanto, chama um saudoso interlocutor: Raul Seixas, e sua canção “A Lei”: “Todo homem tem direito de amar a quem quiser/ (…) Direito de viver/ viajar sem passaporte”.

Link: http://mercadopopular.org/2014/02/todo-humano-tem-direito-de-amar-a-quem-quiser-e-de-viajar-sem-passaporte/

Onde sua dentista seria mais atenciosa com você: livre mercado, socialismo, Suécia..? em 05/02/2014

Aqui critico o pensamento político que demanda perfeição de sistemas econômico-políticos, ignorando os efeitos colaterais da (tentativa de) resolução de problemas específicos e o autoritarismo necessário para que ninguém altere seu comportamento em resposta às tentativas de resolução de problemas. Ao contrário, devemos pensar esse assunto com base em dois fundamentos: 1) Prosperidade é melhor do que a miséria, e instituições que conduzem à prosperidade – realisticamente – no longo prazo são melhores que as que não o fazem; 2) Deixar a decisão para o indivíduo geralmente é melhor do que atribui-la ao grupo, e podemos mais facilmente concordar sobre isso do que concordar sobre o que é o melhor:

Link: http://mercadopopular.org/2014/02/onde-sua-dentista-seria-mais-atenciosa-com-voce-livre-mercado-socialismo-suecia/

Para acabarmos com a pobreza extrema, temos de acabar com a riqueza extrema? em 29/01/2014

Aqui critico uma imagem que estava circulando pelo facebook, que implicava que, para acabar com a pobreza extrema, é preciso acabar com a riqueza extrema. Ocorre que alguns fatos básicos se interpõem contra essa perspectiva: dentre eles, o fato de que, de 1990 à 2010, a extrema pobreza no mundo foi cortada por mais da metade.

Link: http://mercadopopular.org/2014/01/para-acabarmos-com-a-pobreza-extrema-temos-de-acabar-com-a-riqueza-extrema/

O Estado de Bem-Estar Social deixa miseráveis ainda mais pobres, famintos e desesperados, em 23/01/2014

Argumento que o Estado de Bem-Estar Social consegue manter a pobreza em níveis baixos, mantendo as pessoas mais pobres do mundo fora de suas fronteiras, impedidas de imigrar.

Link: http://mercadopopular.org/2014/01/o-estado-de-bem-estar-social-deixa-miseraveis-ainda-mais-pobres-famintos-e-desesperados/

Aniversário dos 50 anos da guerra à pobreza nos Estados Unidos. Algo a comemorar?, em 09/01/2014

Explico como políticas públicas cheias de boas intenções podem resultar em custos muito altos para resultados insatisfatórios. Analiso os 50 anos da “guerra à pobreza” iniciada pela “Grande Sociedade” do Presidente Johnson nos EUA, observando suas falhas e verificando as lições que podemos tirar para o Brasil.

Link: http://mercadopopular.org/2014/01/aniversario-de-50-anos-da-guerra-a-pobreza-nos-estados-unidos-algo-a-comemorar/

Por uma trégua de 24 horas onde não há estupro (e nem cultura de estupro), em 29/12/2013

Aqui trato de como a cultura do estupro é uma limitação fundamental na liberdade das mulheres e porque liberais deveriam estar na linha de frente de transformação dessa realidade para algo melhor que promovo – ao invés de restringir – a liberdade dos indivíduos.

Link: http://mercadopopular.org/2013/12/por-uma-tregua-de-24-horas-onde-nao-ha-estupro-e-nem-cultura-de-estupro/

Por um liberalismo inclusivo, libertador e humanitário, em 06/12/2013

Aqui defendo um liberalismo inclusivo, libertador e humanitário. Inclusivo, por agregar preocupações que vão muito além daquelas de homens brancos heterossexuais da classe média. Libertador, por acreditar que a dinâmica da troca voluntária e da livre associação, ao longo do tempo, liberta da pobreza e da exploração política. Humanitário, por estar preocupado em reduzir a pobreza absoluta, promovendo o bem-estar humano, com justiça social.

Quando Estado de Bem-Estar Social subsidia mais a classe média e os ricos do que os mais pobres, em 01/12/2013

Aqui mostro como o Estado de Bem-Estar Social, historicamente, tem priorizado muito mais a classe média do que as pessoas mais pobres, levando-se em conta a chamada “Lei de Director”. Com isso, defendo que um liberalismo suficientariano priorizaria mais os pobres, e incorporaria de melhor forma a ética subjacente ao livre mercado de “não impor aos outros os seus custos”, do que o Estado de Bem-Estar tradicional.

Link: http://mercadopopular.org/2013/12/quando-estado-de-bem-estar-social-subsidia-mais-a-classe-media-e-os-ricos-do-que-os-mais-pobres/

As raízes liberais-libertárias: Quem são e o que defendem os Bleeding Heart Libertarians? em 11/11/2013

Aqui apresento, de forma bastante completa, o que significa essa corrente do libertarianismo, seu histórico, a possível tradução do termo e suas principais subdivisões.

Link: http://mercadopopular.org/2013/11/as-raizes-liberais-libertarias-quem-sao-e-o-que-defendem-os-bleeding-heart-libertarians/

Justiça social, no estilo de livre mercado, em 05/11/2013

Aqui apresento o que significa o conceito de justiça social e uma forma de abordá-la ao estilo de livre mercado: a “equidade de livre mercado”, de John Tomasi, segundo a qual faz-se justiça social quando se adota instituições que maximizem a riqueza controlada pessoalmente pelos trabalhadores de menor remuneração, através do crescimento econômico sob instituições imparciais. Também mostro o quanto o crescimento econômico faz diferença na hora de promover o bem-estar absoluto dos mais pobres, por intermédio de um exemplo hipotético e de um impressionante gráfico de Milanovic, especialista em desigualdade global.

Link: http://mercadopopular.org/2013/11/justica-social-no-estilo-de-livre-mercado/

3 respostas em “Mercado Popular

  1. Pingback: O que é o libertarianismo bleeding heart, que concilia justiça social e liberdade econômica? | Tabula (não) Rasa & Libertarianismo Bleeding Heart

  2. Pingback: Aniversário de 1 ano do blog – uma breve retrospectiva | Tabula (não) Rasa & Libertarianismo Bleeding Heart

  3. Pingback: Aniversário de 1 ano do blog – uma breve retrospectiva | Tabula (não) Rasa & Libertarianismo Bleeding Heart

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s